CAPO DI TUTTI CAPI

Sebastião Neto

O tipo é medíocre. Está agora ladeira abaixo. Os serviçais dos poderosos tem dificuldade de processarem o que está acontecendo quando são descartados pelos que realmente mandam.

Moro orientou os paspalhos como Dallagnol. Inconcebível o que fez como juiz. A MÉDIO PRAZO DEVERÁ SER proibido DE EXERCER A ADVOCACIA. É um facínora numa toga. Hoje empregado numa dos abutres que tocam o espólio de uma das empresas que ele investigou, a Odebrecht. Literalmente TUDO ERRADO.

O STF (ligeirinho esse 😜 Supremo, né?) liberou à defesa de Lula os documentos/interceptações que desnudam o conluio dos podres poderes. Numa frase: o juiz que deveria ser neutro orientando os investigadores.

E agora, José?

Como perguntaria um primeiro anista ou um jurista: A QUEM INTERESSOU O CRIME?

Certamente, o CHEFE DE TODOS OS CHEFES não é o canhestro “conje”, nem o presunçoso Dallagnol do PowerPoint, nem a copiadora Hardt.

Calma aí. Vamos desnudando. Essa gente vai ser descartada, papel higiénico usado…fim da lava jato.

No cipoal dos $$$$ grandes interesses não existe o CAPO DEI TUTI CAPPI.
Na história da Máfia, são várias as que fazem crimes parecidos, mas tem famiglias, ramificações – Cosa Nostra, Camorra, ‘Ndrangheta e outras.

Nas CORPORAÇÕES que são as máfias legalizadas do grande capital e que trazem esses Moros- Dallagnol pela coleira também têm vários interesses. Certamente estão se beneficiando da tragédia econômica criada pela Lava Jato e reinam com o DESGOVERNO no Planalto e com um Congresso dos sonhos para realizar as chamadas “reformas necessárias”.

Os sórdidos políticos da pior espécie são muitos, alguns já tragados pelo feitiço que tentaram fazer.
Se quisermos saber A QUEM INTERESSOU O CRIME da República de Curitiba temos que aplicar a velha máxima: SIGA O DINHEIRO para saber a quem interessou o crime.

Sebastião Neto é coordenador do IIEP

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Este post tem um comentário

  1. Maria da Fe Ramos Pontes

    Ao mercado internacional, claro. Os intermediários devem sofrer punição severa pelos mais feitos. Pois do contrário não vale a pena. Isso penalizar a indiretamente os senhores do mundo.

Deixe um comentário