Partido dos Trabalhadores alerta: “Distritão é ameaça à democracia”

Em artigo no site da Folha de S. Paulo, a presidenta nacional do PT, Gleisi Hoffmann (PR), o líder do Partido na Câmara, Elvino Bohn Gass (RS), e o vice-líder da Minoria na Câmara, Henrique Fontana (RS), denunciam que o distritão, possibilidade cogitada na reforma política, é uma verdadeira ameaça à democracia, um golpe contra a representatividade política e estímulo ao populismo.

Distritão, uma ameaça à democracia

Modelo é golpe contra a representatividade política e estímulo ao populismo

As propostas de uma reforma política e eleitoral em tramitação na Câmara dos Deputados, sem debate aprofundado com a sociedade, são preocupantes. É a mais abrangente e impactante mudança desde a redemocratização, incluindo um verdadeiro tiro de morte na democracia: a adoção do chamado distritão, um dos piores sistemas eleitorais do planeta.

É uma ameaça à representatividade de minorias políticas e de segmentos sociais, já que são eleitos apenas os deputados mais votados, jogando-se milhões de votos na lata do lixo. Se houvesse distritão em 2018, 70% dos votos seriam desperdiçados. Ou seja, 68 milhões dos quase 100 milhões de eleitores que escolheram um candidato a deputado federal teriam seus votos descartados.

Não há exagero em dizer que esse modelo é uma espécie de “seguro reeleição” que dificulta a renovação de lideranças. Porque se trata de um estímulo ao hiperpersonalismo, ao populismo e ao abuso do poder econômico, com menos candidatos, campanhas milionárias e enfraquecimento dos partidos. Como se sabe, nenhuma das democracias mais maduras se constituiu sem o fortalecimento de partidos.

O distritão prioriza popularidades de indivíduos em detrimento do aprimoramento do debate de ideias, programas e projetos para o país. E ainda acaba com qualquer incentivo ao esforço coletivo e com o voto na legenda. Impede a possibilidade de se eleger parlamentares que representam melhor a diversidade de pensamentos que compõem a sociedade e derruba a qualidade do debate eleitoral.

O atual sistema proporcional, mantido pelas Constituintes de 1946 e 1988, funciona há 70 anos, possibilitando eleger parlamentar que tem os chamados votos de opinião, como intelectuais e líderes religiosos e comunitários.

Aponta-se a existência de puxadores de votos como deformação do sistema. Ora, o distritão cristaliza e não corrige essa anomalia, que pode ser solucionada com a exigência de patamar mínimo de votação.

O distritão induz os partidos à prática de apresentar poucos candidatos. Um estado como São Paulo, representado por 70 deputados de variadas legendas, com certeza não teria mais que 90 candidatos. O crime organizado, o tráfico ou as milícias teriam mais facilidade de eleger representantes nas regiões que controlam.

A mudança cria uma governabilidade anárquica no Congresso Nacional. Cada parlamentar torna-se dono do próprio mandato, praticamente inviabilizando a composição de maiorias.

Figuras populares, como celebridades, youtubers e donos de canais propagadores de fake news, muitos patrocinados por interesses escusos, saem na dianteira num cenário em que se atacam os partidos e os princípios da proporcionalidade, em prejuízos dos candidatos próximos às comunidades e dos representantes das minorias. É o privilégio da fama sobre o trabalho coletivo.

Bandeiras atuais, como a ampliação do espaço das mulheres e dos negros na política, também se tornam de difícil concretização. E acaba-se com a fidelidade partidária, abrindo-se as portas para desrespeitar a decisão do eleitor e aumentar o poder de barganha individual, a troca de favores e a corrupção.

Nenhuma democracia consolidada tem distritão. O sistema vigora apenas no Afeganistão, na Jordânia e em alguns pequenos países insulares. Portanto, adotar um sistema que elege os mais votados, parece, mas só parece, simples e óbvio. No entanto, como afirma o cientista político Jairo Nicolau, o fato de ser um sistema simples não significa que ele seja bom.

Distritão é maléfico ao sistema democrático. É um retrocesso para a democracia brasileira. Trata-se de um golpe contra a representatividade política.

Gleisi Hoffmann
Deputada federal (PR) e presidenta nacional do PT

Elvino Bohn Gass
Deputado federal (PT-RS) e líder do partido na Câmara

Henrique Fontana
Deputado federal (PT-RS), é vice-líder da minoria na Câmara

Artigo publicado originalmente no jornal Folha de São Paulo

Do PT no Senado

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário