E o capitalismo; hein?!

Hossri (PSD) protocolou, na Câmara Municipal de Campinas, o Projeto de Lei (PL) que cria o “Programa ‘Comunismo, não!’”. Pelo divulgado em 14/07/21 no site da Casa de Leis, o PL visa a ensinar os malefícios do comunismo, pois “ele matou, entre execuções e consequências da política, como fome e miséria, mais de 94 milhões de pessoas”. Dada a falácia que sustenta o PL e equívocos de encaminhamento, cabe contra-argumentar conceitual, política e pedagogicamente.

Recorrentemente, quando perguntado o que é o comunismo a quem mais o ataca, não se tem resposta. Termo polissêmico, o comunismo identifica desde movimentos sociais, que buscam superar injustiças e construir um mundo mais humano e fraterno, até sociedades pretéritas e presentes com estrutura em que as classes sociais são ausentes porque não é presente a propriedade privada. Contudo, o significado mais forte e hodierno do termo o caracteriza como um estágio societário futuro, marcado pela igualdade, sem Estado e sem propriedade privada, com cada cidadão(ã) consciente o suficiente para se autogovernar e desenvolver plenamente as próprias potencialidades, sem as limitações da alienação e da exploração inerentes ao capitalismo. Então, como o vereador, quando critica o comunismo, refere-se a países com Estados fortes, conceitualmente, sequer como comunistas eles poderiam ser tratados; talvez pudessem ser chamados de socialistas, mas não é esse o termo empregado pelo nobre edil.

Politicamente, é estranho atacar o comunismo pelas “execuções, miséria e fome” e nada dizer dos crimes do capitalismo. Aliás, ataca-se Cuba por ser comunista e, logo (pela “lógica formal”, descontextualizada, da direita), pobre economicamente, mas se esquece da miséria em países capitalistas dolorosamente empobrecidos, como alguns do continente africano e latino-americano; o Haiti, por exemplo. A propósito, acusar Cuba de ser pobre, sem mencionar o bloqueio econômico que ela sofre há 60 anos (o que a impediu de adquirir respiradores na pandemia), é ignorância ou desonestidade intelectual.

Quantas mortes o capitalismo promoveu e promove? Difícil responder com precisão, o que vale também para o “comunismo”. Mas, observe-se que o livre mercado capitalista resulta, diariamente, em milhares de mortes em países que, como o Brasil, joga comida fora… sem falar nas perdas de vida pela crise climática, pois o individualismo e o consumismo capitalistas não veem limites à exploração da natureza para transformá-la em mercadoria (100 milhões de mortes no mundo, entre 2012 e 2030, foram projetadas para ocorrer pela organização humanitária DARA). Além disso, das ações imperialistas do maior país capitalista do mundo desde o século XX, os EUA, resultaram guerras, invasões, atentados, revoluções e contrarrevoluções pelo globo, com milhões de mortes, algumas, inclusive, para “impor a democracia ocidental”, o que, no mínimo, é uma contradição em termos.

É óbvio que tanto o capitalismo quanto o comunismo são – e devem continuar sendo – conteúdo escolar, mas não cabe a vereador nenhum intervir no cotidiano escolar e/ou atentar contra o direito à liberdade de cátedra, que docentes legalmente têm (Constituição Federal, Art. 206), impondo a ideologia pessoal como diretriz ao trabalho escolar. A propósito, segundo Bobbio, é próprio da esquerda primar pela igualdade, enquanto a direita faz a defesa da liberdade (e do inigualitarismo); então, por que o vereador, que se diz de direita, quer negar a professores(as) uma liberdade, a de cátedra? Difícil entender o vereador sugerir debater o “comunismo” com a técnica do “júri”, muito conhecida nas escolas, mas não mencionar outros regimes, como o fascismo. Será essa a noção de liberdade de expressão?

Se Hossri tem sido procurado por pais de alunos(as), “inconformados pela forma como o comunismo é apresentado em sala de aula” (Correio Popular, 16/07/2021), que o problema seja levado pelo(a) reclamante aos(às) professores(as). Caso não seja superado, que se encaminhe pelos meios democráticos recomendados pela ordem legal-pedagógica vigente (Art. 3º, 14 e 56 da LDB: gestão democrática). No caso específico, a questão poderia ir ao Conselho de Escola e/ou mesmo ao Conselho Municipal de Educação. É autoritário querer legislar pela própria ideologia, ainda que em nome da “liberdade”, intervindo na dinâmica das escolas. Porém, cabe reconhecer coerência nisso, pois autoritarismo é postura histórica da direita, embora ela acuse de ditatorial o comunismo.

Prof. Dr. Marcos Francisco Martins é docente da UFSCar, campus Sorocaba e Profa Dra. Cristiane Machado é docente da Faculdade de Educação da Unicamp.

Publicado originalmente em Carta Campinas

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário