Vencer a pandemia demanda ação concertada do sistema multilateral

É mais do que solidariedade

Os alertas insistentes da Organização Mundial da Saúde (OMS) e de outras instâncias do sistema multilateral sobre a nova onda da covid-19, causada pela variante ômicron do coronavírus, recolocam na pauta das relações internacionais o tema crucial da interdependência. Quando o avanço da vacinação parecia permitir o retorno a algum tipo de normalidade, ao menos em países que se adiantaram na aquisição e aplicação dos imunizantes, a pandemia se aproxima de completar dois anos dando sinais de que a emergência sanitária persiste – e persistirá por algum tempo mais.

Desde 2020, quando cientistas do mundo inteiro se lançaram ao esforço para desenvolver vacinas eficientes, os epidemiologistas repetem o mantra: não se trata de um “salve-se quem puder”. A experiência prática indica que o avanço desigual da imunização, em um mundo como o de hoje, põe a perder a aparente “vantagem” de quem conduziu o processo como se se tratasse de uma corrida na qual o prêmio é de quem cruza primeiro a linha de chegada.

Não é por azar ou acidente que a Europa volta a impor restrições de circulação e contato social – e países como a Alemanha, até então com um histórico invejável no enfrentamento à pandemia, se veem às voltas com o cenário assustador dos hospitais lotados enquanto o ritmo de infecção se acelera em ritmo exponencial. Como não é acaso que a nova ameaça tenha sido identificada originalmente na África: no continente com as taxas mais baixas de vacinação, o vírus teve tempo e terreno favorável para “experimentar” mutações que o tornam agora novamente uma ameaça global.

De maneira análoga, volta à tona um debate que marcou o primeiro ano da pandemia: vencê-la é, por definição, um desafio que extrapola os poderes dos Estados nacionais e demanda gestão concertada no âmbito do sistema multilateral. Em outras palavras, investir na imunização nos países onde ela avança lentamente é mais do que um gesto de solidariedade. É estratégia de interesse comum.

Junto e misturado
De certa maneira, mas não apenas como metáfora ou analogia, a emergência sanitária da covid-19 se apresenta como outra vertente de uma dicotomia que tem marcado as disputas políticas em democracias com graus distintos de desenvolvimento. No mundo globalizado, até onde pode ir a noção de soberania nacional – e a partir de qual ponto se impõem compromissos entre os governos para a ação conjunta?

Há menos de um mês, líderes de dezenas de países reuniram-se na Escócia para a COP26, a conferência internacional sobre as mudanças climáticas. Sintomática, a ausência de governantes de países como China, Rússia e Brasil expôs, uma vez mais, a fragilidade de medidas que não envolvam a comunidade internacional. Recolocou na baila, igualmente, um conceito basilar para a diplomacia brasileira nas primeiras décadas do século: o da responsabilidade desigual e compartilhada de países ricos e pobres na solução de problemas com os da agenda ambiental.

Pandemia e aquecimento global, embora sigam dinâmicas próprias, são sintomas de uma mesma condição que permeia o estágio atual da civilização humana. Vivemos concentrados – ou mesmo amontoados – em grandes cidades. Paralelamente, a circulação de populações e mercadorias pelo globo se faz em ritmo incomparável com o observado, por exemplo, na pandemia da gripe espanhola, um século atrás.

Dos pontos de vista econômico e social, a globalização oferece oportunidades únicas, mas desafios igualmente inéditos.

A parte que te cabe
Fustiga desde já a curiosidade e a atenção dos observadores externos a projeção e profundidade que essa discussão poderá assumir na campanha eleitoral de 2022, no Brasil. Para ficar no exemplo mais recente, a urgência da crise climática teve impacto decisivo na virada política consumada na Alemanha. Mais do que o retorno da centro-esquerda ao governo, após 16 anos de predomínio da democracia-cristã, as eleições de setembro consolidaram a posição dos Verdes entre os principais partidos.

Política externa tem sido tema lateral nas disputas domésticas – e não apenas em países com presença mais discreta no tabuleiro da geopolítica global. Por aqui, quando aparece, costuma ser na forma de frases de efeito destinadas a desacreditar um adversário pela associação a regimes ou personagens externos sobre os quais o grosso do eleitorado tem impressão superficial e estereotipada.

No confronto que se desenha entre o presidente Jair Bolsonaro e o ex-presidente Lula, o contexto da pandemia, a depender do seu desenvolvimento, poderá representar uma oportunidade para a discussão sobre multilateralismo ou autoafirmação como opções para a inserção internacional do país. É a parte que nos cabe.

Por Silvio Queiroz

Publicado em Correio Braziliense, Conexão Diplomática

Compartilhe

Share on facebook
Facebook
Share on twitter
Twitter
Share on telegram
Telegram
Share on whatsapp
WhatsApp

Deixe um comentário