Baile de máscaras

Rita Camacho



A condução genocida de Bolsonaro frente à pandemia do novo Coronavírus não nos deixou apenas sem Carnaval e sem pelo menos 25 mil postos temporários de trabalho. Conseguiu nos tirar mais um importante espaço de protesto contra sua política de supressão de direitos. A vacinação é lenta e esparsa (apenas cerca de 2% da população tomou a primeira dose) e, sem condições sanitárias para a festa mais popular do país se realizar, até o Olodum teve que optar por uma live. Pois é, nossa decadência como país está nos grandes temas, mas também nos detalhes.

Continuar lendoBaile de máscaras